3 Dicas Sobre Como Montar uma Carteira de Investimentos

0
557
como-montar-uma-carteira-de-investimentos
Como Montar Uma Carteira de Investimentos. (Foto: istockphoto)

Em primeiro lugar saber como montar uma carteira de investimentos requer um pouco de atenção e existem alguns pontos que devem ser levados em consideração.

Dessa forma é sempre importante buscar como montar uma carteira de investimentos que seja adequada ao seu perfil e a diversos outros pontos, como finalidade e prazo. Realizando uma avaliação de onde você está aplicando seus recursos, você será capaz de reduzir seus riscos, ampliar o potencial de ganho e criar uma estratégia que se adeque aos cenários econômicos adversos.

O que é uma carteira de investimentos?

Uma carteira de investimentos é um portfólio no qual você agrupará todos os ativos financeiros que você escolheu com base na sua estratégia para rentabilizar o seu capital.

Acima de tudo uma boa carteira deve ser adequada ao perfil do investidor e deve haver alguma diversificação a fim de minimizar os riscos e ampliar o potencial de retorno. Diversificar nada mais é que repartir o seu capital em diferentes ativos, ou seja, não colocar todos os ovos em uma única cesta, isso é importante.

Do mesmo modo, ao montar uma carteira de investimentos, é importante conhecer seus objetivos de curto, médio e longo prazos, para que você consiga determinar quais ativos atendem suas necessidades.

1 – Fundo de emergência

Antes mesmo de definir qual a sua carteira ideal, é preciso montar o seu fundo de emergência!

O Fundo de emergência é o valor do seu custo de vida mensal x 06 meses, ou seja, em outras palavras, se tudo der errado você tem o fundo de emergência que vai lhe suprir por 06 meses. Mas essa regra pode variar também, caso você seja um profissional liberal ou autônomo é recomendado que você crie um fundo de emergência com seu custo mensal x 12 meses, dessa forma você está protegido por 01 ano.

Ele é importante pois em algum momento você pode precisar do seu dinheiro aplicado, seja para gastos com saúde ou despesas inesperadas, e caso você não tenha um fundo de emergência é possível que você passe apuros, pois alguns ativos podem imobilizar seu dinheiro por anos até o vencimento do prazo, portanto fique sempre atento nisso.

1.1 Onde colocar o seu fundo de emergência?

Você deve buscar ativos que lhe ofereçam liquidez, de forma que quando você necessitar do dinheiro ele esteja disponível para você. Dessa forma, você pode alocar seus recursos em Tesouro Selic, CDBs com liquidez diária e Fundos DI.

2 – Defina sua estratégia de investimentos para montar sua carteira

Após entender qual seu perfil de investidor – conservador, moderado, agressivo – você descobrirá quais os produtos mais recomendados para você e então descartará os que não fazem sentido para o seu perfil.

Logo depois você dividirá sua carteira em prazos/riscos e com as proporções de cada ativo, dessa forma você possuirá uma carteira com uma estratégia que contemplará suas necessidades imediatas, de curto prazo e de médio e longo prazos, adotando ainda a estratégia de rebalanceamento.

Ao final dessa etapa, o investidor deve saber qual a porcentagem da carteira deve estar alocado em cada classe de ativo, por exemplo: 50% renda fixa, 50% renda variável.

Quando você definir a porcentagem que lhe deixa confortável, como dito anteriormente você pode adotar a estratégia do rebalanceamento sempre que houver um desbalanceamento da sua carteira de investimentos, por exemplo sua carteira de renda variável se valorizou e alcançou 55% contra 45% da carteira de renda fixa, dessa forma você deve igualar as duas vendendo os 5% excedentes da sua carteira de renda variável e comprando em renda fixa, dessa forma você começa a construir um patrimônio rentável.

Agora você pode selecionar cada produto de acordo com os percentuais definidos na sua estratégia, comparando os custo e expectativas de rentabilidade.

Você deve começar em ativos com mais segurança e menor complexidade, como por exemplo Tesouro Selic, Fundos de renda fixa, posteriormente você pode focar em investir para sua aposentadoria (alvo de longo prazo).

3 – Investimentos de Risco

Por último, caso você tenha perfil para renda variável, poderá focar em investimentos que geram acúmulo de riqueza, como Ações e Fundos de Investimentos Imobiliários (FII).

Importante lembrar que investimentos em ações e FII’s são considerados de risco devido ao fato de que são mercado que apresentam volatilidade no curto prazo, entretanto esses riscos podem sim ser mitigados desde que você invista em bons ativos, por exemplo ações de boas empresas, com negócios idôneos e solidificados há anos.

Conclusão

Nesse ínterim para investir pensando na aposentadoria você deve saber quanto você almeja ganhar por mês quando se aposentar e quanto você deve juntar para atingir esse objetivo para saber quanto você deve investir mensalmente para atingir esse objetivo.

Gostou do Conteúdo? Então deixe seu comentário!

Obrigado por ler até aqui!

Rate this post